terça-feira, 24 de abril de 2018

UPA Bangu é reaberta

Da Redação 

A Prefeitura de Santo André reabriu, no último sábado (21), a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Bangu. É a primeira das UPA's fechadas da cidade que é reaberta à população. Por meio do programa Qualisaúde, o espaço recebeu diversas melhorias e aplicará um novo padrão de atendimento.

O número de leitos passou de 20 para 33, sendo nove de UTI, e foi implantado sistema informatizado, com distribuição de senha eletrônica na recepção. Além disso, a unidade conta agora com separação dos espaços de atendimento de crianças e adultos. A UPA tem capacidade para atender até 20 mil pessoas por mês, entre pediatria e clínica médica. Haverá também atendimento odontológico.

Prefeito Paulo Serra esteve no local
para a reabertura do equipamento | Foto: Ricardo Trida/PSA
“No final de 2016, o telhado desta unidade desabou e naquela oportunidade ela não foi reaberta. Nós herdamos esse prédio fechado, poderíamos reabrir de um dia para o outro, da forma que estava. No entanto, escolhemos fazer um plano ousado, com uma qualidade de saúde diferente. É um equipamento modelo, o padrão de excelência desta UPA é o que queremos levar para toda a cidade”, afirma o prefeito Paulo Serra.

A Prefeitura realizou também troca das redes hidráulica, elétrica e de gases (ar comprimido e vácuo). Houve ainda a implantação de uma base descentralizada do SAMU e a reabertura da farmácia 24h, para dispensação de medicamentos aos munícipes. Além disso, os espaços foram recompostos de forma a possibilitar maior funcionalidade entre os setores e acessibilidade para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. A rua Avaré, onde fica a UPA, foi totalmente recapeada pelo programa Rua Nova.

Um dos mais importantes equipamentos de saúde do município, o Pronto Atendimento Bangu sofreu com deterioração de sua estrutura nos últimos anos. A situação ficou crítica a ponto de oferecer risco à população, o que levou ao fechamento do equipamento em 2 de dezembro de 2016. Entre os diversos problemas encontrados estavam infiltrações, tubulações enferrujadas e portas de consultórios com buracos, o que prejudicava a privacidade dos pacientes que passavam por atendimento.

As obras realizadas pela Prefeitura transformaram o antigo Pronto Atendimento em UPA. Por determinação do prefeito Paulo Serra, o projeto original de reforma passou por alterações, com o objetivo de ampliar as intervenções e garantir uma modernização mais significativa do equipamento de saúde. Estas mudanças resultaram no aprimoramento do projeto original, levando a uma completa reformulação da unidade, que não estava prevista anteriormente.

“Muitos gestores públicos têm a visão de que o SUS é apenas para pessoas pobres e não prezam pela qualidade do atendimento. Felizmente em Santo André é diferente, porque aqui está sendo construído um sistema público de saúde para todos, e com qualidade. A inauguração desta UPA mostra que é possível fazer diferente, com todas as dificuldades”, afirma o secretário de Saúde, Márcio Chaves.

A obra custou R$ 5 milhões. Deste total, R$ 1,8 milhão é oriundo do Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano. O Ministério da Saúde repassou R$ 517 mil para a ampliação da unidade e R$ 752 mil para compra de equipamentos.         

Fraude no ENEM. Sim, foi fraude, e isso é uma notícia boa

Por Mateus Prado, especialista em ENEM e autor de livros sobre o concurso.

A denúncia da Folha precisa ser levada a sério. O Ministério Público deve abrir investigação e, se comprovada as irregularidades, os responsáveis devem ser punidos. Investigação isenta e aplicação rigorosa da lei fortalecerão o Enem, mesmo em meio ao contexto de fraude constatada.


A Folha de São Paulo publicou uma análise estatística dos microdados do ENEM que indica claramente a existência de fraudes em todas as edições da prova e que grupos especializados comercializam o gabarito do exame, num engenhoso esquema ilegal de resolução das provas em tempo real seguido da transmissão das respostas.

A metodologia que a Folha usou, apesar de parecer complexa, é relativamente simples e barata de aplicar, se feita por bons estatísticos. Na verdade, ela até se popularizou quando um livro de estatística em linguagem popular fez muito sucesso no Brasil e no mundo (Freakonomics – O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta). O livro conta, entre outras histórias, a experiência do departamento de Educação da cidade de Atlanta. Lá tinha sido adotada uma prova de avaliação da Educação cujo resultado influenciava diretamente o valor de bônus que seria pago a professores e demais profissionais envolvidos.

Ora, bonificação é uma forma de aumentar, consideravelmente, a remuneração dos professores. E quando existem motivadores econômicos que condicionam a mudança de uma realidade em troca de vantagens financeiras já é esperado que parte dos agentes que irão se beneficiar da possível vantagem façam esforços para atingir as metas que garantem a melhoria de seu poder de compra, mesmo que esses esforços não sejam muito éticos. E o bônus na cidade de Atlanta foi o maior responsável pela fraude que foi encontrada quando estatísticos foram analisar o comportamento de respostas das questões de testes para avaliar a qualidade do sistema de ensino municipal. Descobriu-se que pelo menos 178 professores participaram de uma fraude para enganar o sistema de avaliação e ter seus recebimentos aumentados. E eles estavam distribuídos em 44 das 56 escolas analisadas. Alguns professores simplesmente marcavam/corrigiam o gabarito dos alunos para inflar as notas médias de suas turmas.

Uma vaga em Medicina, Engenharia, Direito, entre outras, em uma Universidade Pública também é um belo incentivo econômico. Pagar 6 anos de Medicina em uma Universidade Particular pode custar mais que R$ 720.000 só em mensalidades, fora que a lógica cruel da seleção ‘meritocrática’, da escassez de vagas e do exagerado ganho de status social já faz ser muito atraente passar em Medicina e em alguns outros cursos sem estar preparado para tal, até mesmo em Universidades particulares. Sendo assim, é tolice nossa esperar que não existissem, ou no novo e bom ENEM ou no velho e ruim Vestibular, estruturas que fraudassem os sistemas e que aprovassem alunos mais abastados fornecendo o gabarito em troca de modestas colaborações milionárias.

E foi o que aconteceu. Não em um ou outro ano do ENEM. Aconteceu em praticamente todos os anos em que ele foi aplicado. E é óbvio que já acontecia antes do ENEM.

De 2011 ate 2016 foram encontrados mais de 1000 casos de gabaritos do ENEM que estão totalmente fora do padrão de respostas das demais provas entre 10% dos candidatos com o maior número de acertos nas varias provas do ENEM. Isso significa o seguinte: 3 milhões de marcações de gabaritos seguiram um padrão de respostas e grupos pequenos de 10, 20 ou 30; ou no máximo de 67 pessoas apresentaram um padrão de resposta totalmente diversos entre a maior parte dos participantes e diversos até mesmo entre esses pequenos grupos, mas extremamente semelhantes entre os candidatos desses microgrupos.


A impossibilidade da coincidência fica ainda mais clara quando descobrimos que de um grupo divergente de 67 pessoas com altas notas no ENEM estavam 11 que fizeram provas na mesma cidade (Picos, no Piauí, cidade com somente 77 mil habitantes) e que 8 dos 11 eram de outras cidades e fizeram a opção de sair de suas cidades para viajar, em alguns casos, por 4 horas de carro/ônibus, até seu lugar de prova. Todo mundo que conhece o ENEM sabe que nas regiões periféricas e nas cidades do interior costuma ser muito mais fácil colar nas provas justamente por que nelas muitas vezes os aplicadores tem menos familiaridade com a prova ou infelizmente passaram por um processo de capacitação menor do que em locais com melhor estrutura.

Como já foi dito antes, o ENEM não é o lugar onde este tipo de fraude nasceu. Um exemplo clássico de um tipo de fraude ocorreu numa prova da UNICAMP, na década de 90. Nessa prova cobrou-se uma proposta de redação exatamente igual a outra que constava em uma apostila de um tradicional cursinho de uma cidade do interior de São Paulo. Na época, a Unicamp cancelou a prova e aplicou outra. E eram várias as notícias e boatos de vazamento de prova e/ou questões nos mais de 100 vestibulares de instituições públicas que o ENEM veio a substituir. Escolas e cursinhos regionais se gabavam em anunciar que ‘conheciam muito bem’ as provas de suas localidades. A sugestão implícita de que proprietários de cursinho e seus professores tinham acesso privilegiado as provas e/ou a parte de suas questões mesmo antes de elas serem aplicadas eram recorrentes. E é inocência demais achar que em todos os casos isso era só uma sugestão um pouco antiética destes cursinhos. Por vezes, mesmo que não fosse na maioria, isso era mesmo a realidade. Em alguns casos, os próprios professores de alguns cursinhos sugeriam o que estes vestibulares deveriam cobrar.

A adoção da análise em TRI da prova para chegar à nota do aluno, além da divulgação pública dos microdados do ENEM - realidade que começou em 2009/2010 - possibilitou que a imprensa descobrisse e denunciasse à sociedade, com certa segurança, que de fato existem fraudes que já constavam no imaginário de muitas pessoas envolvidas de alguma forma no ENEM. E a reportagem-denúncia não coloca em xeque o exame, pelo contrário, o consolida. Saber que podemos descobrir um ou mais grupos que burlam o ENEM para receber vantagens econômicas somente com a análise estatística dá enorme confiança na metodologia, mesmo sabendo que a denúncia atual aponta ilegalidades presentes desde 2009. O debate e as ações que devem emergir desse tema trarão mais credibilidade ao Enem e potencialmente mobilizará estudantes e a sociedade na cobrança de providências em relação aos fraudadores do exame.

A denúncia da Folha precisa ser levada a sério. O Ministério Público deve abrir investigação e, se comprovada as irregularidades, os responsáveis punidos. Investigação isenta e aplicação rigorosa da lei fortalecerão o Enem, mesmo em meio ao contexto de fraude constatada.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Banda Lira de Santo André chega aos 100 anos

Da Redação

E lá se vão 100 anos. No próximo sábado (21), a Corporação Musical Lira de Santo André comemora o primeiro centenário de vida. Criada numa época em que a cidade iniciava o seu desenvolvimento, a Banda Lira, como é mais conhecida, é uma das mais antigas do Brasil, e tornou-se um verdadeiro patrimônio do município.

Aos 81 anos, o maestro Claurício Cypriano preserva o amor e o carinho pela banda que comanda desde 1993. De acordo com o maestro, atualmente são 30 músicos que se revezam nas apresentações regulares em atividades em Santo André e em outras localidades do Estado de São Paulo. No repertório, músicas clássicas e populares internacionais e da música popular brasileira. Em 2017 foram 140 apresentações.

Grupo é um dos símbolos da cidade | Foto: Alex Cavanha
Pioneira no ABC, a banda está com a agenda cheia neste mês de aniversário de Santo André, com apresentações realizadas, por exemplo, no Parque Central e em cerimônias de celebração pelos 465 anos da cidade. Para homenagear os 100 anos da corporação, a Câmara Municipal realizou na última quarta-feira (18) uma sessão solene.

História 

Integrante mais antigo da corporação, João Madriano Filho acompanha os músicos desde 1953, quando tinha 11 anos. O braço direito do maestro Claurício, foi levado pelo pai, João Madriano, que integrou a banda de 1920 a 1993, e que não o deixou ser músico. Atualmente ele é o responsável pela parte administrativa.

Segundo João, a Banda Lira teve origem nas famílias italianas que chegaram à cidade naquela época, fugindo da guerra. “Eles vinham para o Brasil com a ideia de ganhar algum dinheiro e retornar, mas como encontraram uma terra acolhedora, acabaram ficando e constituíram família”, comenta.

O estatuto da corporação, de acordo com João Madriano, foi registrado na década de 1930, “quando Santo André era conhecida como a terra das chaminés fumegantes”. Passados 100 anos, a banda mantém o espírito familiar e tem orgulho em preservar esta característica.

Orgulho

A corporação tem sede no Parque Antônio Fláquer (Ipiranguinha). No local, os músicos fazem os ensaios e se apresentam sempre no último domingo de cada mês, às 15h. “É um privilégio para Santo André e para todos os moradores ter uma corporação musical tão duradoura e querida como a Banda Lira. Que venham os próximos 100 anos”, afirma a secretária de Cultura, Simone Zárate.

“A Banda Lira tem uma trajetória que marca a história da nossa cidade, é um dos principais símbolos de Santo André, que nos orgulha e emociona. Este é o sentimento que deve nos conduzir à Santo André que queremos construir para o futuro: de trabalho, dedicação, amor e orgulho”, afirmou o prefeito Paulo Serra, que participou da sessão solene na última quarta-feira.

A Prefeitura de Santo André, por meio da Secretaria de Cultura, repassa a cada ano uma subvenção para a Banda Lira, que em 2018 será de R$ 110 mil, com previsão de ser disponibilizada no mês de maio. Por iniciativa da secretaria, um projeto que visa buscar recursos financeiros junto a empresas para um evento de comemoração dos 100 anos foi aprovado pelo ProaC-ICMS (Programa de Apoio à Cultura – ICMS), da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Com isso, os representantes da banda poderão captar recursos no valor de R$ 149 mil para o evento.



Montorinho deixa o PT

Por Vitor Lima

José Montoro Filho, o Montorinho, entregou há pouco sua carta de desfiliação do Partido dos Trabalhadores (PT). Vereador em Santo André por sete mandatos consecutivos, Montorinho era um dos militantes mais antigos do partido na cidade.
Militante histórico do PT, o ex-vereador deixa o partido | Foto: Arquivo

Carta de desfiliação foi protocolada na
tarde de hoje (19) no diretório municipal do partido
O ex-petista candidatou-se para vereador na eleição passada e obteve 3.956 votos, sendo o 12° mais votado no município. Contudo, Montorinho não tomou posse, pois foi barrado na Lei da Ficha Limpa, por supostas irregularidades durante o período em que foi presidente da Câmara dos Vereadores (entre 2007 e 2008).

A saída do ex-vereador foi lamentada pelo presidente do diretório municipal do PT de Santo André, José Paulo Nogueira. “É uma perda irreparável. Ele é um dos fundadores do partido em Santo André, construiu sua trajetória política dentro do partido, é um militante histórico. O PT tem profundo respeito por ele e lamenta muito a perda de um quadro político deste porte”, comenta.

Nogueira afirma que desconhece os motivos que levaram Montorinho a tomar esta decisão e nega qualquer tipo de desentendimento do ex-vereador com a cúpula do partido na cidade.

Até o fechamento desta reportagem, Montorinho não retornou os contatos do Ponto Final para esclarecer os motivos de sua desfiliação e seu futuro político. Informações de bastidor dão conta de que o ex-petista apoiará o vereador Almir Cicote na eleição deste ano. Cicote, que recentemente deixou o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e migrou para o Avante, tentará se eleger deputado estadual.



quarta-feira, 18 de abril de 2018

Inscrições abertas para curso de primeiros socorros no ambiente escolar

Por Vivian Silva

O Colégio São Carlos, em São Bernardo do Campo, sedia em 27 de abril a palestra interativa gratuita sobre primeiros socorros, que será ministrada pela equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), em dois horários, às 9h e 14h. O curso é voltado aos profissionais da área de educação.

Interessados na palestra interativa devem se inscrever até a próxima quarta-feira (25) | Foto: reprodução 
A iniciativa foi motivada pelo Projeto de Lei (PL) 9468/18 aprovado pela Câmara dos Deputados, em 20 de março, que obriga as escolas públicas e privadas, de educação infantil e básica, além de estabelecimentos de recreação infantil, a capacitarem professores e funcionários em noções básicas de primeiros socorros. Atualmente, a matéria tramita no Senado.

O que motivou a criação deste PL foi o menino Lucas Begalli Zamora, que morreu após se engasgar com uma salsicha de cachorro-quente durante um passeio escolar. O fato ocorreu em Campinas, em setembro do ano passado.

A medida é apoiada pela docente e responsável pela comunicação do Colégio São Carlos, Maria Aparecida Miccheleti Lucena, conhecida como Cida Lucena. “A gente, às vezes, passa alguns apuros, com uma criança de educação infantil que engasga na escola, ou está com problema respiratório, então, até o Samu chegar é muito importante que todos estejam capacitados para auxiliar essa criança”, afirma.

Interessados na palestra devem se inscrever até 25 de abril pelo e-mail cidalucena@escolasaocarlos.com.br, WhatsApp 99343-8866 (Cida) ou telefone 4367-1779 (Elizangela). Todos os participantes receberão certificados. O Colégio São Carlos fica na Rua Comendador Pinotti Gamba, 119, no Rudge Ramos.





terça-feira, 17 de abril de 2018

Pignatari é o primeiro parque de Santo André com Wi-Fi gratuito

Por Vitor Lima

O prefeito de Santo André, Paulo Serra, esteve na Chácara Pignatari, na última sexta-feira (13), para lançar, oficialmente, o programa “Wi-Fi Livre SA - Santo André Conectada”. O programa consiste em espalhar pela cidade pontos de internet sem fio gratuitos à população.

A primeira intervenção neste sentido foi justamente no Pignatari. O sinal de Wi-Fi tem um raio de 100 metros e, portanto, deve atingir todo o parque, ao custo de R$ 20 mil. De acordo com o cronograma da Prefeitura, até agosto todos os outros 11 parques do município também devem contar com sinal livre de Wi-Fi para os visitantes.

Programa de internet gratuita será expandido
 para os outros parques do município até agosto | Foto: Ricardo Trida/PSA

“Um simbolismo importante instalar o primeiro ponto do Wi-Fi Livre SA em um parque aqui no Segundo Subdistrito. Hoje, 92% da população de Santo André usa a internet através de celular para algum tipo de atividade do dia-a-dia. Não tenho dúvida que é um passo importante. Queremos construir uma cidade mais moderna, mais inteligente, mais conectada”, destaca o prefeito.

Para ter acesso ao sinal, o usuário deve procurar a rede de Wi-Fi “Santo André Conectada” no dispositivo e, em seguida, realizar um pequeno cadastro para poder usufruir para liberar o sinal.

O prefeito também salientou que a criação do Núcleo de Inovação Tecnológica dentro do Executivo, órgão que será capitaneado pelo servidor Pedro Seno. O núcleo terá a responsabilidade de implementar o programa nos demais parques de Santo André e, posteriormente, levar a internet gratuita para outros pontos de grande circulação de pessoas e avançar na transformação do município em um uma smart citie, isto é, uma cidade inteligente.





sábado, 14 de abril de 2018

Utinga ganha bosque em área abandonada

Moradores da região e arredores se uniram para ocupação de área verde esquecida. O local será inaugurado neste domingo, 15, com ampla programação

De modo espontâneo, um grupo de moradores da região de Utinga, em Santo André (SP), se uniu para transformar a paisagem e a ocupação de uma área verde abandonada e tomada pelo entulho, usuários de drogas e mosquitos. O local, na Avenida Utinga, 1975, é parte restante de um terreno público desmatado e vendido a uma rede de supermercados.

Área foi revitalizada pro moradores da região. 
O resultado será comemorado no domingo, 15 de abril, com uma extensa programação que inclui aulas de yoga, danças circulares e zumba nos novos espaços.

Em um mês de trabalho cotidiano, os voluntários retiraram muitos sacos de entulho, eliminaram criadouros de mosquito, abriram trilhas, criaram espaços para atividades e plantaram mudas e flores. “Achamos aqui um brejo, que contornamos para preservar. Brejos tem sapos, que comem mosquitos”, explica Giancarlo Tola, professor de educação física especializado em yoga e danças circulares.

Foi ele quem iniciou o processo. “Achava que essa área deveria ser mais usada. Eu sou trilheiro e vinha aqui para meditar. Um dia, pedi uma enxada emprestada ao seu Zeca e dona Herô, caseiros do Centro de Assistência Social da Prefeitura, vizinho ao bosque, e comecei a tirar o mato para abrir uma trilha”, conta.

Marlene Frandom, especialista em exercícios para a terceira idade, viu Giancarlo carpindo, se entusiasmou e convidou para a iniciativa a filha, Camila, sua irmã e o cunhado Osvaldo, que é arquiteto. A pedido dessa família, Nicinho, dono de uma pavimentadora, doou sacos de britas, as pedrinhas despejadas nas trilhas abertas pelo grupo.

A psicóloga aposentada e mediadora judicial Wanda Gonçalves, que soube da história durante uma aula de danças circulares ministrada por Gian, também se somou ao grupo. “Eu sentia necessidade de agir por mais qualidade de vida na cidade, de me ligar à natureza”, conta. O mesmo desejo mobilizou o fotógrafo Rodrigo, a namorada dele, a Maria, a Bruna e a Leo, entre outros.

O grupo marca encontros no local para trabalhar sob o sol ou chuva. “Trouxemos flores, abacate, orquídeas de chão, margaridas, roseiras, azaléas, melissa, mirra, gerânios”, conta Wanda.

Eduardo Melo, dono de uma academia da região (Steel Fit) incumbiu-se de lidar com os trâmites legais na Prefeitura e na Câmara Municipal para garantir que o plano diretor acolha a iniciativa comunitária. “Era uma promessa de um prefeito transformar esta área em parque, mas não aconteceu. Eu sonhava com isso e, assim que vi a movimentação, aderi”, diz. “Temos aqui algumas árvores nativas da mata atlântica e isso tem que ficar para as próximas gerações. Esse pequeno pedaço de natureza é nosso.

EVENTO
Dia de Criatividade no Bosque do Povo – Utinga
Domingo, 15 de abril de 2018
Av. Utinga, 1975, ao lado do CRAS - Centro de Referência em Assistência Social.

PROGRAMAÇÃO
Espaço GRAMADO:
7h30 - Yoga
8h30 - Danças Circulares
10h - Zumba
12h - Apresentação
13h – Aulão de ginástica e atividades
14h - Forró
15h - Zumba
16h30 - Roda de Cirandas
18h - Encerramento.
7h-18h - Grafite

- Agentes de Saúde - conscientização sobre febre amarela, Zica e Dengue

Espaço PICNIC:
10h - Jogo de Taco
11h - Arte na Argila
13h - Desenhos, Pinturas e Dobraduras
14h - Oficina de Capucheta
15h30 - Contação de Histórias

Trabalho mutirão :
- Continuação da trilha de caminhada
- Horta de ervas aromáticas e medicinais
- Criação dos bancos e brinquedos para o playground
- Traga uma muda e plante!!!